­

Em Alagoa Nova/PB: Laudo pericial descredencia informação de estupro de menor de 5 anos e rapaz suspeito teme pela própria vida

Redação Alagoa Nova Já | 27.4.16 | 0 comentários

No início da noite dessa última segunda feira (25/04), por volta das 18h, um caso fatídico aconteceu em Alagoa Nova, município do Brejo Paraibano. Trata se do caso do menor Tiago Neves Vicente dos Santos, de cinco anos de idade, que sofreu um desmaio quando estava na companhia da avó e foi levado as pressas, pelo companheiro da avó dona Marinez, para o Hospital Municipal Sofia de Castro Costa, onde foi socorrido pela médica de plantão, Rafaela Nunes Lira, que tentou reanimar a criança. 

A médica vendo a condição grave do garoto resolveu transferir para Campina Grande, indo direto para a Unidade de Pronto Atendimento (UPA), onde os procedimentos de reanimação continuaram, porém sem êxito e a médica constatou a morte da criança. A equipe daquela unidade de saúde solicitando o serviço de remoção do Núcleo de Medicina e Odontologia Legal(NUMOL), para levar o corpo de menor para os exames periciais a fim de atestar a causa mortis. 

Um fato curioso e que na limpeza do corpo da criança, ainda na UPA foi constatado uma leve alteração no ânus da mesma, o que requereu para dirimir quaisquer dúvidas, a prestação de um Boletim de Ocorrência na Central de Polícia. 

No entanto apesar de alguns veículos de comunicação, a exemplo de TV ter divulgado uma possível violência sexual contra o menor, o laudo cadavérico retira a dúvida e descredencia tal informação e conforme o laudo do NUMOL, a criança morreu vítima de um sufocamento, no momento que a teria tentado vomitar algo que estaria em seu organismo, que sufocamento deveu se ao excesso de verme que seria expelido pela boca. O laudo conclusivo assinado pelo médico legista Roberto Pires Almeida atestou a morte por bronco asfixia. 

O menor Tiago Vicente, foi sepultado nessa terça (26/04), as 17h, sob muita comoção, no Cemitério local. Em todos os momentos o Conselho Tutelar da cidade acompanhou os envolvidos e o desenrolar dos fatos.

Uma questão que deve ser levantada é o constrangimento que a informação precipitada e a especulação causou ao esposo da avó do menino que foi tido como suspeito do caso. Algumas pessoas já estavam cogitando um possível linchamento, inclusive picharam o portão da casa dele, que por quase 48 horas passou a temer pela própria vida. 

Hoje pela manhã, ele, o rapaz tido como suspeito, Josinaldo (Ligeirinho) utilizou o espaço concedido no Programa Sala de Notícias de Rádio Comunitária Pirauá FM, para esclarecer os fatos e dizer que, tomaria as providências com relação as acusações infundadas.


Silvanna Ramos

Editorias: , , , , ,

0 comentários