­

Policial do 9º BPM atingido por tiros poderá ficar paraplégico

Redação Alagoa Nova Já | 20.3.14 | 0 comentários

No final da manhã dessa quarta-feira (19/03) foi atingido por tiros no tórax e abdômen o policial militar João Ferreira do Nascimento Júnior, 27 anos, casado, pai de um filho. Lotado no 9º batalhão de Policia Militar (Cuité), no Curimataú paraibano, a 235 Km da Capital e trabalha no Município de Barra de Santa Rosa. 

Tudo aconteceu quando o PM Júnior, que estava de folga, se deslocou de sua residência para levar a esposa que está grávida de seu segundo filho até o Instituto de Saúde Elpídio de Almeida (ISEA). Feito isso, passou no Banco, fez a retirada de uma quantia não informada e a seguir foi até o Bairro das Malvinas, Zona Oeste de Campina Grande, deixar duas senhoras em casa. 

Quando a vítima estacionava o veículo nas proximidades da escola Piramidal, dois elementos que se aproximavam em uma moto, anunciou o assalto, o PM reagiu, e houve troca de tiros, ele foi alvejado por cinco disparos de arma de fogo. Dois tiros atingiram o abdômen e três tiros atingiram o tórax. Um dos projéteis lesionou a medula óssea. 

No início da tarde o PM passou por procedimento cirúrgico, mas segundo o diretor geral do Hospital de Trauma de Campina Grande, Dr. Geraldo Medeiros, ele vai ficar paraplégico. “O caso é irreversível. A tomografia computadorizada mostrou que uma das balas transfixou a medula do policial. Quando isso ocorre, o paciente fica paraplégico. Foram duas horas de cirurgia e a vítima chegou em estado grave e está na sala de recuperação pós-cirúrgica. Ele ainda corre risco de morte, mas está se recuperando gradativamente”, revelou o médico em entrevista realizada após a cirurgia.

Quanto aos dois responsáveis, um foi atingido com dois tiros de raspão na cabeça e outro foi baleado com um tiro no quadril e outro no joelho. Eles não correm risco de morte. A guarnição no tenente Feitosa prendeu um acusado que denunciou o comparsa. Foram detidos:  Álisson Souza, de 22 anos e Anderson Pereira Elói, 18 anos, ambos moradores das Malvinas.

Acusados e vítima foram rapidamente levados para o Hospital de Trauma de Campina Grande pela Polícia Militar e por uma ambulância do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu). 

Um dos acusados também teve que passar por cirurgia e está sob custódia policial, internado no mesmo hospital. O segundo homem preso foi levado para a Central de Polícia Civil, em Campina Grande, os dois deverão responder por tentativa de roubo e homicídio (latrocínio). Com eles, a polícia apreendeu duas armas, sendo que uma deles havia sido roubada da vítima, a moto utilizada no crime também foi apreendida.

No final da noite (19), o Portal Alagoa Nova Já, conversou com o Comandante do 9º Batalhão de Polícia Militar o major Antonio Afonso Galvão, que adiantou já ter tratado sobre o caso do PM Nascimento com o Comandante Geral da PM coronel Euller Chaves, “que prontamente atendeu e me autorizou a remover o PM Nascimento para qualquer Estado do Brasil, se necessário. A PM custeará todas as despesas se preciso for. Portanto, ele pode até ter sequelas, mas não será por falta de assistência médica. No nosso comando estão 12 Municípios e cerca de 150 homens e digo com toda certeza o PM Júnior é um dos melhores policias que nosso comando tem. Outra coisa, o Hospital de Trauma, deu toda assistência possível, em nome da corporação eu agradeço a equipe médica e ao Dr. Geraldo Medeiros”, disse ele.

O presidente da Associação dos Militares Estaduais da Paraíba (AMEP), cabo Sérgio Rafael disse que a associação está acompanhando todo o caso. E em contato com o renatodiniz.com nesta quarta-feira à noite, o cabo esclareceu que o gol branco com placas vermelhas pertence ao pai do policial ferido.

Silvanna Ramos com renatodiniz.com e Portal Correio

Editorias: ,

0 comentários