­

Vinte e quatro horas depois do roubo de duas motos em Alagoa Nova, a polícia ainda não tem pistas

Redação Alagoa Nova Já | 22.11.13 | 0 comentários

O município de Alagoa Nova no brejo paraibano(distante 148,6 Km da Capital) há muito tempo deixou de ser pacata. Mas a ousadia dos ladrões é algo que vem assustando os moradores. Desta vez bandidos roubaram duas motos numa ação quase que simultânea. Os dois casos ocorreram na noite dessa quinta-feira(21).

Uma moto estava estacionada no Ginásio de esportes "O Otavão"  na entrada da cidade e serviu de palco para o primeiro roubo. O veículo pertencia a Lameck Medeiros, ele assistia uma partida de futebol, em menos de vinte minutos ele saiu de dentro do Ginásio e foi até o estacionamento e ao chegar teve uma infeliz surpresa, sua moto, uma Titan 150, ano 2008, cor preta, de placas MOK 3487, de Alagoa Nova, não estava mais no local onde ele havia deixado. Lameck disse, "fiz tudo como eu sempre fazia, estacionei, fui assistir jogar e depois fui pegar a minha moto pra ir pra casa e quando vi que ela não estava no local, me deu uma tristeza e um desespero tão grande. meus pais trabalharam muito pra me dar a moto, era nela que ia num lugar e outro, que fazia minhas viagens de perto para jogar. Perguntei a todo mundo lá e ninguém viu. A sensação foi desesperadora". Lamentou ele.


Em menos de vinte minutos uma outra moto foi roubada no Bairro Santa Luzia, também em Alagoa Nova, o veículo pertencente a Jackson Medeiros , uma moto Pop, ano 2011, cor vermelha, de placas NOF 5576, de Alagoa Nova. Jackson disse que "era um pouco mais de dez horas da noite, eu estava em casa e tinha deixado a moto estacionada, porque já era costume colocar ela pra dentro na hora de dormir. Então quando fui buscar ela pra guardar, ela já não estava mais lá. Sai perguntando se alguém tinha visto gente rondando, mas todo mundo disse que nada viu", disse ele.


O interessante é que Lameck é primo de Jackson, e não sabe-se ainda se é apenas uma coincidência ou os dois roubos tem ligação. Os dois Boletins de Ocorrência foram registrados, e passadas vinte e quatro horas, nem os proprietários, nem a Polícia tem qualquer informação que possa levar ao paradeiro dos ladrões.

Silvanna Ramos

Editorias:

0 comentários