­

Em Lagoa Seca série de eventos marca o Dia Nacional da Cultura

Redação Alagoa Nova Já | 5.11.13 | 0 comentários

No dia 5 de Novembro é comemorado o Dia Nacional da Cultura. Para celebrar a data, a Secretaria de Cultura do Município de Lagoa Seca está realizando uma vasta programação especial que iniciou-se hoje (05) e se estenderá até o final do mês.

A solenidade de abertura aconteceu as 8h:00min da manhã, nas dependências do Convento Ypuarana, onde estiveram presentes o prefeito José Tadeu de Sales e assessores, o Diretor de Cultura do Município Ulisses Braw, profissionais da imprensa local, autoridades, gestores culturais e artistas da sede do evento, ainda representantes de Alagoa Nova, Pocinhos, Bananeiras, entre outros e José Gilson Matias Barros, Chefe Regional do Ministério da Cultura, que coordenou um Grupo de Trabalho, cujo tema foi: "A cultura é a carteira de identidade de um povo".

Durante a manhã a arte clássica e erudita se completaram e os que ali estavam assistiram apresentações artísticas e observaram uma exposição de xilogravura e de literatura de cordel. A programação da tarde contou com espetáculos de teatro e de música na praça. Onde o público se envolveu e participou satisfatoriamente, atendendo a expectativa dos organizadores.

Para o Diretor de Cultura Ulisses Braw "o Município de Lagoa Seca que tem um grande potencial de artesãs, um turismo religioso consolidado, entra de vez na consolidação da cultura, porque há a vontade política e o potencial humano para fazer a arte-cultura" e deixou o convite para todos participarem durante todo o mês.

O prefeito José Tadeu elencou as dificuldades da pasta da cultura, mas também apontou soluções para o crescimento, disse ele que “é necessário e de responsabilidade de todos o fazer arte, sua disseminação, conservação e até financiamento". Sabendo disso e com atenção a este tema, citou que o Município já aprovou a disponibilidade de até 3% no orçamento anual para investir na cultura local. "Porém não é tão simples quanto parece requer muito envolvimento e a participação popular" argumentou.

Os representantes dos demais municípios participantes relataram suas dificuldades e experiências e principalmente a vontade da formação de um consócio cultural, para montar intercâmbios e diminuir os gastos com festivais e eventos. Alguns meios legais para que empresas privadas também invistam na cultura foram citados, sem perder o foco do investimento dos entes federados, União, Estado e Municípios. Outro ponto foi trabalhar a arte a partir do olhar da coletividade, nas mais diferentes esferas e espaços educacionais e sociais. Salientando a importância de conhecer os saberes popular, clássico e erudito e de entender as leis que consolidam as parcerias e os investimentos, o que deveria acontecer via através de cursos de gestão cultural, a exemplo do já existente no estado da Paraíba.

Arrematando todas as questões José Gilson do Ministério da Cultura, parabenizou a iniciativa e se deixou a disposição para quaisquer eventuais dúvidas. Para José Gilson, "a ideia do fazer cultura nasce do povo, a arte de forma geral é produzida pelo povo e deve ser financiada pelo poder público, é uma parceria entre ambos. As Leis de incentivo ainda são recentes e precisa amadurecer aos poucos com a colaboração de todos, mantendo parcerias, subsidiando financeiramente, incentivando as publicações e a própria comunicação no âmbito local e nacional", finalizou ele.

No momento foram lançados os Projetos Tapete Mágico, Biblioteca Pública Municipal e da Cinemateca. Foram lançados também os Projetos Cinema, Poesia e Pipoca, que envolve inclusive a zona rural. Ainda, lançou-se os Projetos Música de Câmara e Cultura da Praça. E apresentou-se ao Ministério da Cultura para captação de recursos os Projetos Xilogravura e Literatura de Cordel: cultura do nosso povo, Jóias do Lixo e Reciclagem de Papel (parcerias SEDUC/SECULT). Pra finalizar foram anunciadas as parcerias entre SECULT, Prefeitura e Museu do Índio do Ypuarana.

Recitais, tributos, caminhadas culturais, exposições de artesanatos, apresentações de dança, música, teatro e literatura prometem envolver todo o mês de Novembro em Lagoa Seca, onde o povo é chamado a fazer arte-cultura e a participar dos mais diferentes momentos.



Silvanna Ramos

Editorias:

0 comentários