­

Rejeitado o projeto que reduziria recesso dos vereadores de Alagoa Nova

Redação | 21.8.13 | 0 comentários

À tarde desta terça-feira (20) foi de muita expectativa para a população de Alagoa Nova, município do brejo paraibano. Durante três semanas a pauta de votação da Câmara Municipal foi aberta com o Projeto proposto pelo vereador Ícaro Teixeira (PMDB), que reduziria de noventa(90) para cinquenta(50) dias o período das férias parlamentares do legislativo mirim.

Na primeira votação, dois vereadores já se mostraram contra, foram eles, Ailton de Joãozinho (PMDB) e Ramilton Camilo (PTB), a vereadora Fátima Câmara do São Tomé (PMDB) pediu vistas. Porém na sessão seguinte sequer a vereadora compareceu, adiando para a próxima sessão a votação do projeto. Na sessão seguinte o projeto foi posto em votação novamente e obteve cinco (05) votos contra e seis (06) a favor. Não sendo possível a aprovação a matéria seria outra trazida ao entendimento e para votação dos vereadores na sessão desta terça-feira.

Todavia o resultado anterior continuou e a matéria foi rejeitada. Os vereadores que se manifestaram contrários foram: Ailton de Joãozinho (PMDB), Fátima Câmara do são Tomé (PMDB), Margareth Cardoso (PSDB), Ramilton Camilo (PTB) e Vanusa Gonçalves 'Nina de Boi Vei' (PSD).

Os vereadores: Abraão Lincon (PT), Alexandre 'Tucha da Padaria' (PMDB), Ícaro Teixeira (PMDB), Everaldo dos Santos (PT), Mateus Herculano (PSD), votaram favoráveis ao projeto. O Presidente da Câmara Severino Ricardo (PMDB), usou seu direito regimental, para desempatar a votação, votando também a favor do projeto. A votação neste caso foi maioria, porém como a Câmara Municipal de Alagoa Nova é composta por onze (11) vereadores, necessitaria de dois terços (2/3) dos votos para que de fato o projeto fosse aprovado, ou seja, seria preciso oito (08) votos.

Ainda na sessão e mais tarde nas redes sociais, os vereadores Ícaro Teixeira, Everaldo dos Santos e Mateus Herculano, favoráveis a propositura do projeto, lamentaram a rejeição, visto que se basearam na Constituição Federal, que garante trinta (30) dias de férias para quem trabalha e não mais que isso.

Para os vereadores isso é um contrassenso para com a população e esse seria o momento de todos se tornarem solidários a um projeto que se solidarizassem aos munícipes. Apesar disso garantiram que o respeito à decisão dos demais está garantido.

Silvanna Ramos

Editorias:

0 comentários