­

Polícia apresenta grupo acusado de assaltos em Alagoa Nova e região

Redação | 12.7.13 | 0 comentários


A Polícia Civil apresentou, na manhã desta quinta-feira (11), uma quadrilha responsável por mais de 20 assaltos a residências, correspondentes bancários, estabelecimentos comerciais, granjas e propriedades rurais na região do Brejo paraibano.

O grupo ainda é envolvido com o tráfico de drogas e de armas nos bairros do Araxá e Jardim Continental, em Campina Grande.

A apresentação dos acusados aconteceu na sede da 2ª DRPC, em Campina Grande. De acordo o delegado regional Marcos Paulo Vilela, as investigações começaram tão logo os primeiros ataques foram denunciados à polícia.

“É mais um grande trabalho da Delegacia de Roubos e Furtos, que a princípio tem circunscrição apenas na cidade de Campina Grande, mas não poderia deixar de intervir nas ações desse bando que vinha aterrorizando a população da região circunvizinha”, disse o delegado.

Num dos crimes, a quadrilha invadiu a casa de um vereador da cidade de Matinhas, subtraindo uma arma da residência. “Com essa mesma arma eles já partiram, em ato contínuo, para assaltar um estabelecimento comercial naquela cidade”, relatou Marcos Paulo.

O delegado que coordenou as investigações, Henri Fábio, disse que o bando é o mesmo que roubou armas do fórum judicial da cidade de Ingá. No município de Alagoa Nova, o grupo assaltou farmácias e correspondente bancário, além de roubar um comércio de material de construção na cidade de Juarez Távora.

“Eles atacaram residências rurais em Lagoa Seca, Alagoa Nova, Matinhas, Puxinanã e Lagoa de Roça. Vinham, de fato, causando pânico à sociedade”, acrescentou.

Além das prisões, a polícia apreendeu três revólveres, uma espingarda calibre 12, várias munições e uma pequena quantidade de crack. Uma balaclava (espécie de toca) e roupas camufladas, usadas pelo bando, também foram apreendidas.

Foram presos Claudio Domingos da Silva; Robson Antonio da Silva (Rob); Eduardo de Souza Silva (Guloso) e Hernane André dos Santos (Tarado). Eles serão encaminhados ao sistema penitenciário, onde ficarão à disposição da Justiça.

Fonte: Secom/PB

Editorias:

0 comentários