­

Presidente da Aesa diz que há novos problemas na barragem de Camará

Redação | 20.2.13 | 0 comentários


O presidente da Agência Executiva de Gestão das Águas do Estado da Paraíba (Aesa) Moacir Rodrigues, juntamente com engenheiros e técnicos do órgão, estará fiscalizando a barragem de Camará, no Brejo paraibano, na próxima sexta-feira, 10 horas da manhã.

Segundo o dirigente da Aesa, foi observado que há uma grande pedra solta na fundação da barragem, o que tem preocupado os técnicos do órgão, levando os mesmos a fazer uma inspeção profunda na barragem a fim de impedir futuros problemas.

Para a reconstrução da barragem, que sofreu rompimento em 2004, estão assegurados R$ 29 milhões, recurso oriundo do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC II), do Governo Federal. O novo reservatório beneficiará 175 mil habitantes de vários municípios da região do Brejo.

A barragem localiza-se no Rio Riachão, afluente do Rio Maranguape, na divisa dos Municípios de Alagoa Nova e Areia, a 162 km de João Pessoa, no Estado da Paraíba. A construção da barragem foi realizada durante o ano de 2001, tendo sido completada e inaugurada em fevereiro de 2002. 

A geologia do local é constituída de rochas pré-Cambrianas, do Complexo Migmatítico-Gnáissico, representadas por migmatitos heterogêneos. No leito do rio, na área do vertedor, são cortadas por “diques de granito de granulação fina a média”. Estas rochas têm xistosidade com direção perpendicular ao eixo do barramento, com mergulhos para a ombreira direita. Na ombreira esquerda, a xistosidade tem mergulho da ordem de 30º a 35º.

A barragem é do tipo de gravidade em concreto compactado a rolo (CCR), com coroamento na cota 465m, e bacia de dissipação na elevação 416m(?). A face de montante, em concreto convencional é vertical, e a de jusante tem inclinação (H:V) de 0,4:1 da crista até a elevação 457m e daí para baixo tem inclinação 0,8:1. A base tem 49,18m de largura. O vertedor, situado na parte central da barragem tem crista na cota 461m. A barragem possui galeria de inspeção e drenagem, sendo horizontal na parte central e inclinada junto às ombreiras.

Fonte: Parlamento PB

Editorias: , ,

0 comentários